sábado, 13 de dezembro de 2008

passagem

e talvez compreender que essa passarela tão estreita deva ser atravessada completamente só, como quem atravessa um coração ou uma vida inteira; e que este é um momento de passagem, de conhecimento tão profundo que só pode ser adquirido na total solidão de si mesmo. perceber a grandeza do instante sozinho é um dom e é preciso acreditar que tudo é uma questão de momento e que, dentro de dias, semanas, meses, anos, quiçá; mas dentro de uma margem de algo que se denomina temporário, alguém segurarará sua mão outra vez.

domingo, 23 de novembro de 2008

sol em câncer



"Só um amor não concretizado pode ser romântico."

quinta-feira, 30 de outubro de 2008

Dia: a solidão me dói como uma bofetada ou subitamente doce


Acordou, há tempos não acordava assim. Sol de relance na cama, calor, muito calor, espreguiçada (três vezes), bocejos (também três). Erguer-se do leito como uma leoa, cabelos ao vento ou a ausência dele, ainda muito calor, rumo ao chuveiro. Ducha gelada, pensamentos sóbrios cor de rotina. Melhor vestir uma blusa vermelha pra combater tanto cinza, e o engraçado é que lá fora o céu está colorido, mas ainda assim, cara de rotina. Lavar o rosto com sabonete de argila, “isso hidrata e melhora sua cara amassada, minha filha”, silêncio profundo, ninguém disse nada. A casa tem muitos ruídos, mas o silêncio profundo, vem de dentro. Os pés quentes de tanto calor ou seria vontade de andar? Colocar sandálias antigas pros pés respirarem. Inspira, respira, suporta. Uma nova espreguiçada e se sentar prum café primavera. Comer pelas manhãs sempre me dá uma alegria incalculável, o senhor também não sente essa alegria? O café sozinha, cheiro de companhia à mesa, há tempos seu café seria também sua maior companhia, algo quente e próximo como um cigarro, o melhor amigo de tanta gente. Mas, neste caso, apenas café, a criatura aqui não gostava muito de fumar. Cigarros nunca cheiraram como flores.

Comeu logo, será que devo escovar os dentes ou deixar esse gosto de café ainda aqui, mais um pouco? Preferiu escovar os dentes. Desabotoou a gola da blusa vermelha. Não calçou sapatos. Fingiu se esquecer das horas, mas lembrou.

Chaves na mão, gritou tchau! pro vizinho que regava as flores, embora não existissem o vizinho nem as flores. Mesmo assim, colorida azul margarida, desceu às escadas em direção à rotina, carregando as chaves na mão direita e algum sentimento na mão esquerda, sentimento que não distinguia nem sequer sentia. Fingia, doce que era, fingia sentir, fechava os olhos pensando nas primaveras.

Pela rua, muitas pessoas e também nenhuma, não havia trabalho, não havia ocupação, não havia dor de cabeça. Sentia-se egoísta por isso, como poderia estar mais tranqüila do que os outros? Inspira, expira, suporta. Todo mundo com tantas sacolas e tantas idéias, e eu aqui andando em círculos pelo asfalto? Parou na praça da frente de frente à estátua da fonte, estátua de dois anjos que se beijavam. Anjos se amam até o fim dos dias? Preferiu acreditar que sim. Sentou-se ao pé do hidrante e almoçou pêssegos. Pensou que era um pouco cedo para comer de novo, mas só pensou mesmo, e comeu.

Sentiu cheiro de magnólia e lembrou que gostava de verde. Decidiu comprar gardênias e quem sabe um vestido? Sobre o vestido sabia que deveria ser cor de verde, tudo pra combater o cinza. Passou por galerias, cruzou vitrines, quis casar com Chico Buarque e não entrou em lugar nenhum. Melhor imaginar um vestido verde do que encontrá-lo dando sopa por aí. Sentiu-se verde, leve e teve uma vontade absoluta de abraçar alguém. Abraçou as idéias e logo se esqueceu do que pensava. Aborreceu-se com o cachorro da senhora bem de frente ao banco, por que os cachorros parecem estar menos sozinhos nesse mundo cão? Tinha raiva dos cachorros porque queria ser um deles. A maior frustração era não ter um focinho gelado e não ser capaz de encostar nos outros com todo aquele ar de plenitude.

Continuou a caminhar, agora um pouco cansada, desejou ser diferente e quis deitar bem no meio do centro da cidade, sendo envolta por arranha céus e pessoas apressadas com sacolas. Deitou. Logo levantou. Nada disso era absolutamente inédito.

Olhou pra cima, viu pombos, riu deles. Haveria algo mais patético que um pombo? Riu de novo e, com medo, suspeitou que sim.

Entrou numa galeria de arte e imaginou que os artistas deveriam ser os mais ocupados de todas as pessoas. Por um instante desejou que os pensamentos fossem ocupações, mas logo respirou aliviada por não serem. Gostava de pensar em vão. Olhava quadros e pensava que a estátua da fonte era tão mais bonita. Sentiu raiva dos artistas com sua prepotência, eles nunca haviam percebido tamanha a pequenez de um amarelo diante de uma primavera? Sorriu porque sabia que era amarela. Chorou depois, por três horas. Alguns minutos.

Fechou os olhos e lembrou de um beijo. Sabia de todos os perigos dos beijos e lembrava com nostalgia das borboletas na barriga, bem assim, sounding like hollywood. Inspira, respira, suporta. Suspira. Menina, pare de procurar amor em toda esquina! Ela sabia que nenhum sentimento viria numa caixinha de leite mas, ainda assim, procurava.

Parou diante do xerox e pediu que copiassem sua temperança. O velho dono da papelaria zombou dela, disse que ali só tiravam xerox da soberba. Ela saiu em silêncio, aquele mesmo silêncio de dentro, o único ruído vinha das chaves que balançavam nos bolsos.

Perdeu-se sem saber pra onde ir. Abriu os bolsos, despejou tudo o que tinha, queria voltar pra casa. Ela já não sabia que desde o início aquele dia seria cinza? Fechou os olhos com rapidez, respirou fundo, altiva. Não queria voltar pra casa. Passou por um velhinho de cabelos cor de orquídea e pediu que ele segurasse fortemente as suas duas mãos, por três minutos. O velhinho tremia e de tanto trupicar, soltou-se. Tranqüila, ela aceitou os fatos, relaxou os ombros e engoliu todo o doce que tinha da goela até o estômago. Apesar de conhecer o doce que tinha todos os dias por dentro de si, só ali se deu conta. Se alegrou, quase saltou. Vibrou por saber que a primavera estava era ali mesmo, perto da boca, e gargalhou como ainda não tinha gargalhado o dia todo. Inspira, inspira, inspira. Quis gritar, mas não teve som. Quis correr, mas sentiu que era parada que ela se sentia presente. Ficou os pés no chão, no presente. Despreocupa, pensa no essencial. Acorda, acorda, acorda. Respira, respira, respira. Rapidamente e deixando de lado todo o resto, soltou o sentimento da mão esquerda, jogou as chaves pro alto e abriu os braços no meio da avenida.

Quis ser.

domingo, 5 de outubro de 2008

quarta-feira, 17 de setembro de 2008

outros passos

Meu querido, não te aborreças
Não há em mim uma procura infindável por seus passos
Não te aborreças.
O gostar só se dá quando se deu
E o silêncio é inteiro, mútuo.
Não mude, não tema, não te aborreças
Prossiga a caminhada
Música, dois, uma estrada
O gostar só se dá quando se deu
E se vem, inevitável, fica.
Não te aborreças, meu querido.
Viva.

domingo, 27 de julho de 2008

ser dois

Qualquer tempo que tivéssemos seria Insuficiente.
Um tempo justo pra nos tornar mais juntos.
Um tempo junto pra caber nos braços.
Eu atrás de braços que não sei de onde
Me aquecem.
Me esquecem.
Vontade de sentir que as mãos vão juntas
Uma querendo a outra como se quer o outro
E pronto.
Sem tempo pra pensar demais
Vontade de arriscar querer sentir de novo
Sentir que se tem um outro
E que é o que é
E ponto.

terça-feira, 8 de julho de 2008

))<>((

"e se realmente gostarem? se o toque do outro de repente for bom? bom, a palavra é essa. se o outro for bom para você. se te der vontade de viver. se o cheiro do suor do outro também for bom. se todos os cheiros do corpo do outro forem bons. o pé, no fim do dia. a boca, de manhã cedo. bons, normais, comuns. coisa de gente. cheiros íntimos, secretos. ninguém mais saberia deles se não enfiasse o nariz lá dentro, a língua lá dentro, bem dentro, no fundo das carnes, no meio dos cheiros. e se tudo isso que você acha nojento for exatamente o que chamam de amor? quando você chega no mais íntimo, no tão íntimo, mas tão íntimo que de repente a palavra nojo não tem mais sentido. você também tem cheiros. as pessoas têm cheiros, é natural. os animais cheiram uns aos outros. no rabo. o que é que você queria? rendas brancas imaculadas? será que amor não começa quando nojo, higiene ou qualquer outra dessas palavrinhas, desculpe, você vai rir, qualquer uma dessas palavrinhas burguesas e cristãs não tiver mais nenhum sentido? se tudo isso, se tocar no outro, se não só tolerar e aceitar a merda do outro, mas não dar importância a ela ou até gostar, porque de repente você até pode gostar, sem que isso seja necessariamente uma perversão, se tudo isso for o que chamam de amor. amor no sentido de intimidade, de conhecimento muito, muito fundo. da pobreza e também da nobreza do corpo do outro. do teu próprio corpo que é igual, talvez tragicamente igual. o amor só acontece quando uma pessoa aceita que também é bicho. se amor for a coragem de ser bicho. se amor for a coragem da própria merda. e depois, um instante mais tarde, isso nem sequer será coragem nenhuma, porque deixou de ter importância. o que vale é ter conhecido o corpo de outra pessoa tão intimamente como você só conhece o seu próprio corpo. porque então você se ama também."


(Caio Fernando Abreu)

terça-feira, 1 de julho de 2008

do se dizer adeus

Esperar por você é esperar Godot.
Seus olhos, seu cheiro, seu medo, sua boca. Não passam de ilusões que têm me mantido com alguma perspectiva.
Sem perspectiva, vejo de perto. Sua condição será essa, sempre.
Inútil esperar mais dos seus sorrisos e abraços, sendo que eles jamais passarão de sorrisos, e de abraços.
Aos poucos percebi que você nunca virá.
Que rufem os tambores no silêncio do seu nome.


Não te espero mais.

quarta-feira, 11 de junho de 2008

dia hoje


Amar
Dar tudo
Não ter medo
Tocar
Cantar
No mundo
Pôr o dedo
No lá
Lugar
Ligar gente
Lançar sentido
Onda branda da guerra
Beira do ar
Serra, vale, mar
Nossa banda da terra é outra
E não erra quem anda
Nessa terra da banda
Face oculta, azul do araçá

(...)

A outra banda da terra, Caetano Veloso

quarta-feira, 21 de maio de 2008

menina sem vento

-- Mamãe, estou com falta de ar! – a menina correu com as saias amarelas que balançavam naquilo que ela mesma dizia que sentia falta. A mãe, aflita como sempre ficava com qualquer problema, correu de volta em direção às saias amarelas da filha.

-- Falta de ar, filhinha? Como assim falta de ar? – Como assim falta de ar. Como assim falta de ar!? Falta de ar, oras. Uma menina de oito anos jamais saberia responder com precisão um “como” desses, mesmo que essa fosse uma menina que, como todas as outras meninas, gastasse seu tempo pensando a respeito das coisas.

-- Falta de ar, mamãe! Falta de ar e pronto. – Falta de ar e pronto. E ia ela, na mais pura incompreensão daquele período quase-fim da infância, dando batidinhas no peito, ficando ainda mais branquinha do que era, com os olhos menorzinhos ainda do que eram. A mãe aflita assoprava e tratava logo de preencher todo o ar da sala da casa com perguntas recheadas de “como”. Como assim? Como no peito? Como vamos resolver isso, meu Deus do céu? E agora? Melhorou um pouco? Como está?

A menina nada respondia e continuava com as batidinhas no peito. Até que.

-- Passou.

-- Passou? “Como” passou?

-- Passou, mamãe. Passou e pronto.

A mãe se aborrecia muito com a rapidez e a praticidade da menina responder as coisas. Para ela todas as respostas deveriam ser mais profundas que um “pronto” e uma mocinha de oito anos não podia continuar sentindo faltas dessa espécie – ainda mais que essa não era a primeira vez. A mãe, tomando um pouco de ar pra ficar mais calma, atacou.

- Filha, preste atenção. Preste muita atenção: você precisa me explicar melhor essas faltas que você anda tendo... Isso não pode acontecer o tempo todo, não pode. Falta de ar? Nessa idade?

-- Tá bom mamãe.

E foi brincar, já mais amarelinha, da cor das saias.

segunda-feira, 21 de abril de 2008

vôos


essa mania de esperar por quem não conheço

domingo, 23 de março de 2008

pequena abertura para o deserto



"Um girassol se apropriou de Deus: foi em Van Gogh"

sábado, 9 de fevereiro de 2008

de todas as cores

Estranho desejo firme. Longe, puro, concreto, possível. Inapropriado, duro, aço, vasto. Forte, maior que pude. Você, nada mais, silêncios guardados em olhares cruzados. Pavor, receio, êxtase. Saudade que fisga, loucura, falta do que não existiu. Interlíngua, contato, corte que perfura a pele. Marca eterna, cicatriz, lembrança, sentido, tatuagem. Aperto no peito, asas que batem forte em direção ao Atlântico. Voar até você, esquecer-me do resto. O resto, também incerto, te quero e te vibro e te marco e te guardo e te embalo e te coloro de todos os bons fluidos. Preenche-me de acalanto, marca neon. Fez-se um carregamento de mim no instante já.