quinta-feira, 20 de março de 2014

quase 28

amanhã sou 28.
daqui, não tenho medo de saturno.
escrevo para lembrar, escrevo para esquecer.
escrevo na tentativa de escrever em mim uma nova história.
sei que sou habitada por intensidades, presenças distantes, lembranças de antes.
mas preciso escrever para pertencer ao agora.
pois que tudo que desejo às vezes me escapa.
mas, de corpo aberto, busco o mundo para além do vazio.
quem inventou o amor não fui eu.
mas acredito.
acredito.
acredito.
e acredito.
como disse uma amiga, "o coração estará sempre na linha de frente".
aconteça o que acontecer.
seja o que for.
venha o que vier.
venha o que não vier.
hoje atravesso a meia noite by myself.
acho que, pela primeira vez, completamente eu.
mas não tenho medo de saturno.
vou rasgar a pele.

sexta-feira, 14 de março de 2014