quinta-feira, 31 de julho de 2014

madrugada

já em casa, me sento, respiro, há uma pulsação forte que não me deixa dormir. deveria tomar um chá, faço um café. assim, pouco a pouco, no embalo da música das minhas células, fica mais difícil pegar no sono. eu deveria tentar, mas há uma vida imensa me chamando aqui dentro e essa vida quase não tem nome quase não tem cheiro quase não tem forma. apenas vivo e isso é uma alegria mansa. me lembro de clarice, talvez fosse a hora de reler "água viva", esse livro que me faz sonhar e crer numa vida que seja sempre sonho. errei muitas vezes por sempre sonhar demais, mas sei que o tamanho das coisas é maior. as coisas são maiores. maiores. as pessoas deveriam saber. 
tomo um café, lentamente, pego um papel, acho que vou começar a escrever. não: acho que vou ensaiar uma melodia. alguma coisa forte que me guie. as melhores memórias vêm à cavalo e elas cavalgam em meu corpo como explosões de desejo. sou fluxo em velocidade alta, devaneio em carne viva, sopro de melodia. sou um instante inaugural.
a casa está vazia, não há ninguém. há minha respiração, minha mente que corre como quem desbrava um campo inteiro. há plantas, há água. há espaço para o delírio, para a falta de jeito. há espaço para o fracasso, que é sempre um caminho. o fracasso é sempre um caminho.
sinto saudades de tudo. consigo sentir que meu peito persegue por algo que ainda não vejo. sei que virá uma primavera ainda maior que meus poros possam sentir. sei que o amor está em tudo que faço e farei. e isso não é nenhum clichê, embora pareça. todo mundo fala sobre o amor e sobre as coisas que as pessoas fazem para amar e pra se sentirem amadas, mas o amor é maior, bem maior. as pessoas deveriam saber.
meu café está quase no fim e, se eu fumasse, agora acenderia um cigarro. tenho uma leve inveja das pessoas que fumam. deve ser prazeroso este instante de se descolar do tempo para habitar um tempo seu. é como se quem fuma não tivesse angústia e, quase que singelamente, trocasse aquele instante de perturbação por um hiato no passar das horas. e os fumantes fumam. e fumam. e fumam. e mergulham inteiramente na fumaça, ainda que seja tóxica, ainda que seja matável, ainda que seja cinza.
acho que vou me deitar, vou me dirigir para a cama, estou me dirigindo para a cama. me deitei. meu corpo é uma realidade que atravesso diariamente. desconheço o que existe aqui. talvez existam cavalos, talvez plantas, talvez vazios. vou fechar os olhos, ensaio o colar lento das pálpebras e, sim, quase que subitamente, uma pitada de solidão parece querer me visitar. sinto aquela cutucada no plexo solar, uma sutil falta de respiração, uma mini-melancolia, dessas que a gente nem se preocupa muito, mas que podem fazer pequenas lágrimas dos olhos escorrerem e um desconforto nascer. mas as pálpebras estão fechadas e as lágrimas não escorrem, a pele está seca e quer dormir. hoje é isso e é tudo que tenho para existir. e, sei, estou feliz demais para ficar triste. 

2 comentários:

Amanda Simao disse...

Olá tudo bem, eu me chamo Amanda e vim humildemente lhe pedir que visite meu blog e me ajude por favor.
mamaecomcancer.blogspot.com

Fique com Deus.

Amanda Simão

Amanda Simao disse...

Olá tudo bem, eu me chamo Amanda e vim humildemente lhe pedir que visite meu blog e me ajude por favor.
mamaecomcancer.blogspot.com

Fique com Deus.

Amanda Simão